Acreditar é apenas um passo para acontecer...

terça-feira, dezembro 30, 2014 Nenhum comentário


Leia ouvindo: Lost Stars - Adam Levine

Não só parece que iniciará um novo ano, como também parece que ressurge a esperança de um novo melhor. Ressurge uma esperança que nos permitimos sentir a cada novo começo de um ano e também uma esperança que permitimos perder assim que a primeira coisa não vai bem.

Sabemos que a felicidade está em coisas e gestos simples, o mundo faz questão de esfregar isso todo o momento. Mas, o mundo não vive sua vida. Bilhões de pessoas no mundo e nos ”mandam” se concentrar em uma pessoa. Milhares de lugares para desvendar e nos “mandam” criar raízes no lugar que nosso coração se sentir acolhido.


Todo ano eu me desejo a felicidade. E que ela venha em diversas formas. Que ela venha até a mim intermediada por pessoas, por sons e cheiros que se perdem ao nosso redor. Que a felicidade venha ás vezes apenas, que ela fique um pouquinho e se vá, fazendo assim eu desbravar uma nova vontade, um novo sonho e porque não um novo amor.

Que a felicidade venha quando um amigo sorri feliz, que ela apareça de repente e se permita ficar um pouquinho mais de vez em quando.

Que a felicidade venha quando assistimos a um filme de romance ou quando assistimos ao show de uma boa banda.

Não importa o motivo, o lugar, nem mesmo o modo, apenas que a felicidade chegue para nós nas mais diversas ocasiões.

Se você puder acordar e relembrar momentos felizes que você viveu, todo os dias serão felizes. E desse modo você será feliz de verdade e ainda poderá ser mais e mais.

Só esperar não adianta.


Acreditar é apenas um passo para acontecer.

Mas viver,  é o que torna tudo real.

No fim de cada novo dia respire fundo e olhe para o céu (independente de fé ou religião), sorria e agradeça apenas por poder estar fazendo isso nesse exato momento.

E não esqueça o mais importante, sinta saudades.

A saudade é a forma mais dolorosa de felicidade.


Feliz você em 2015!!!














Expectativas

sexta-feira, outubro 17, 2014 Nenhum comentário


Minhas sinceras desculpas ao mundo.
Nessas últimas semanas aprendi que a mudança tem que partir da nossa vontade de mudar e de reconhecer que nós precisamos sim mudar ao invés de esperar que o outro mude. É assim tão simples, fácil e bonito de se ver.
Ok! Eu mudei. Para mim foi bom, na verdade ótimo. Mudei comigo mesma e para mim. Mudei de atitudes. Mudei um pouco algumas vontades e acima de tudo mudei a forma de pensar sobre sonhos que não se realizam. 
Todos os sonhos se realizam se você consegue imaginá-los reais.
Mas tem algo que eu nunca vou entender, compreender e/ou saber mudar.
A nossa ilusão sobre as pessoas. A nossa ilusão de vê-las perfeitas. A nossa ilusão de que elas não vão nos desapontar.
Na verdade, a minha ilusão.
Eu penso sim que se todos os dias nós acordamos dispostos somente a amar, e não se lembrar das tristezas do ontem vamos conseguir ser mais felizes.
O problema de agora é todos os dias conseguir perdoar/desculpar/esquecer à todo momento. Também não posso ser tão tola assim.
Então eu mesma me iludo com meus próprios conflitos internos. E apenas sinto e afirmo que nesse mundo inteiro, cheio e repleto de bilhões de pessoas existe sim apenas uma que faria tudo por você, e é a sua mãe.
Bem vindo ao meu mundo, onde as decepções tornam-se palavras e desabafos que infelizmente você que deveria ler e entender completamente não vai nem saber o que eu estou falando.
Eu sempre digo que sou razão ao invés de emoção, mas hoje eu senti meu coração doer.

            

Questiono-me se um amor vale uma vida toda?

segunda-feira, agosto 11, 2014 2 Comentários
A todo o momento parece que temos que provar as pessoas nosso amor, nosso carinho e que realmente somos merecedores das boas coisas que nos acontecem.
Nós vivemos sei lá, mais ou menos uns setenta anos,  passamos anos e anos esperando por um amor que não sabemos se existe, mas fomos obrigados a acreditar que temos “uma” alma gêmea, uma metade da laranja, um amor para a vida toda.
Quem foi que teve essa ideia de um amor?
Quem foi que nos condenou a ser infelizes e a acreditar que não temos o direito de amar mais ninguém com a mesma intensidade?

Questiono-me se um amor vale uma vida toda?

Todo esse sentimento de posse, medo, angustia, e as vezes até mesmo um pouco de ódio, é apenas por você ou meu coração permitirá novamente sentir todo esse vazio que me completa por mais alguém?

Impossível, Deus não faria isso conosco. Uma vida. Setenta anos mais ou menos para viver. E um único amor. 

Eu já não posso te esperar mais. Não significa que eu te ame menos ou que eu tenha deixado de te amar. Apenas eu preciso que meu coração tenha motivos para bater. Eu preciso sentir de novo aquela sensação de frio na barriga. Preciso saber que alguém faz de mim importante. Preciso saber quem eu vou procurar no meio de uma multidão. Eu não posso mais me prender a você se você soltou minha mão.

Não posso mais dizer que está tudo bem ou que vou te esperar, simplesmente porque você já não me faz mais acreditar que vale realmente um verdadeiro motivo para te esperar daqui a dois, dez ou mesmo cem anos.

Eu consigo sorrir, eu aprendi a sorrir novamente, mesmo em dias nublados. Eu consigo passar o dia inteiro sem desmoronar, mas, nada disso significa que você não é meu ultimo pensamento no fim de mais um dia.

Talvez até possa sim existir um único amor em nossas vidas, mas você me leva a crer que eu nunca mais serei feliz se não for com você. E o que eu faço se você não pode estar comigo agora? Eu vivo. Simplesmente sobrevivo. Ou passo meus dias esperando você? E se você não voltar? E se você descobrir que não seu eu o seu amor? E se você voltar tarde demais e eu descobrir que você já não é mais o meu amor?


E se o tempo passar e realmente descobrirmos que sim, somos nós as almas sentenciadas a estarem para sempre juntas? E todo tempo que nós perdemos? Nós só temos uma vida para viver e ser feliz, mas e agora? Não passaremos nem metade das nossas vidas juntos, porque simplesmente você não consegue respirar fundo e ser feliz.



Sim, eu te amo. Mas até quando o amor sobrevive na escuridão?

Apenas posso dizer como me sinto encantada com o novo...

quarta-feira, julho 16, 2014 Nenhum comentário

"A vida é muito mais simples quando a gente encara todos os nossos medos, problemas, angústias e seja o que mais aparecer, de forma simples e coerente.


Todos os dias escrevo páginas e páginas de um livro que nunca saiu do meu pensamento. É tão simples escrever sem colocar nada no papel. Não sei se faz a história ser apenas compreendida por mim, ou se, faz com que a história seja como eu desejo, sem ter que me seguir um padrão de romance, amor, de brigas e pensamentos ruins (daqueles que a gente só consegue escrever no "Querido Diário"). 

É como se algo me bloqueasse a escrever por saber que as pessoas vão ler e saberão que estou falando dos sentimentos delas. E se elas não gostarem da minha interpretação sobre suas vidas?

As vidas que me rodeiam são tão confusas quanto a minha própria. Sinto que sou cobrada o tempo todo em relação a quase tudo e escolhas que vivo. 

Amigos, família, vida profissional e só tem uma coisa que não sai da minha cabeça: VIAJAR SONHAR!

Eu já planejei diversos roteiros, para longe, perto, mais longe ainda, para poucos dias aproveitando as férias e também aqueles de meses e meses, para mudar mesmo o rumo do meu destino. Mas, não saem de planos. Não passam de sonhos. Algo me prende. São diversos algos. Pessoas. Meu mundo particular. Não ver todos os dias um sorriso em especial. Dizer um "Adeus" de verdade para quem já não volta mais. Ter a esperança de ainda te encontrar em uma multidão. Tantas são as coisas que me prendem das mesma forma que existem outras que por tantas vezes me desviam para outros acasos. 

Explorar o mundo com os olhos de quem já os conhece dos filmes. Conhecer os milhares de lugares da sua lista dos sonhos. Conhecer pessoas que você jamais imaginou que conheceria por esse mundo e bares a fora. Eu só não tenho mais listas do que a quantidade absurda de filmes que eu preciso assistir antes de morrer. Se eu fizer mais alguma lista, certeza que não dou final nunca na minha listinha básica de 202 filmes. O problema é que eu assisto uns dez e coloco mais uns vinte na lista.  

O meu acaso/destino/inesperado me faz questionar todos os dias o que é certo e errado para mim.

Me perco no meu próprio jeito insano de sonhar.

Me encontro em imagens, músicas e vontades.

Só eu sou capaz de continuar minha trajetória, só eu sou capaz de limitar meus surtos.

Talvez somente seja possível alguém nos completar, quando de verdade faltar algo em nosso coração.

Ser/estar/viver sozinho, não faz de você uma pessoa sozinha se você consegue sorrir no fim do dia."
                                                                                                         


E se passou 1095 dias...

segunda-feira, junho 02, 2014 Nenhum comentário

Imagens do filme "Em qualquer outro lugar".
"Quando a gente acorda e o dia está cinza, pensamos se ainda vai sair o Sol.
É confuso não ver mais quem se ama. Por mais que tenhamos amigos, irmãos e confuso não ter você.
Ás vezes, os dias cinza nos faz lembrar a falta que as pessoas queridas nos fazem. A dor se mistura com saudades e há um espaço que fica em nosso coração que parece que não vai nunca conseguir ser ocupado por nada nem ninguém.
A vida segue em frente... Coisas novas surgem, coisas boas acontecem, mas é sempre difícil novos relacionamentos, pois é sempre difícil explicar novamente o que aconteceu. É difícil explicar a pessoa que um dia eu fui. Reviver tudo é como se ainda fosse aquele dia, e é como se fossemos sofrer tudo outra vez.
Cada nova etapa da minha vida que surge eu respiro fundo e encarro de frente, sinto você ao meu lado e por tantas e tantas vezes escuto sua voz. Jamais consegui te ver de novo, nem ao menos em sonhos.  Se você surge em algum sonho é apenas sua voz em cenas que já vivemos juntas. Eu espero tão ansiosa o dia em que eu possa ter um sonho e possa sentir você me abraçar. Eu espero ansiosa o dia em que possa te veja em meus sonhos e você diga que está tudo bem.
Fazer o certo, viver o bem, são as coisas que eu faço todos os dias por você, porque você ensinou e porque você continua a nos indicar os caminhos certos a viver.
Viver 1095 dias sem te ver todos os dias e sem ter o seu abraço é acordar um pouco mais forte a cada novo amanhecer."


Mãe, sinto sua falta...

Talvez eu até tenha tido quatro amores...

sábado, março 29, 2014 Nenhum comentário


Quanta vezes é permitido amar nessa vida em que  estamos vivemos?
Quantas vezes serão possíveis que o nosso coração bata mais rápido ou bem devagar por alguém?
Quantos são os amores possíveis que se pode viver?
Por que se a gente pensar ou se levar em conta o que as pessoas dizem, é mais ou menos o que? Um amor de verdade para toda essa vida?
Um amor verdadeiro?
Um único amor para uma vida cheia de experiências?
Com certeza desejamos que sim, e que seja para sempre, mas ás vezes o para sempre tem uma data de validade.
Se você não desejar que seja para sempre, se você não achar que é verdadeiro, certamente, não será. Da mesma forma que podemos achar que será para sempre e por alguma ventura acabar.
Ok acabou. Mas não significa que deixou de ser amor por isso.
O amor pode existir quantas vezes o seu coração se permitir abrir para alguém.
Talvez eu até tenha tido quatro amores, mas eles foram tão diferentes uns dos outros, até mesmo na hora de sofrer com o fim.
Eu vivi meu primeiro amor, meu primeiro romance, minha primeira dúvida e a minha primeira certeza. E ainda espero viver os outros primeiros diversos sentimentos que se possa sentir por alguém.
Foram quatro fins e quatro dores e decepções diferentes, pois, jamais eu me deixei sofrer pelas mesmas coisas.
Afinal, quatro amores, quatro histórias, quatro pessoas completamente diferentes e ao mesmo tempo ás vezes um pouco de cada vez iguais.
Eu evito qualquer “dor de amor”, eu tento “prever” num futuro breve se pode dar certo ou errado, só apenas para não sofrer novamente.
Os amores e o que ele trás? Ás vezes dores, ás vezes paz. Outras vezes tão somente a vontade de amor ser e se tornar um algo mais.
Eu posso amar, mas talvez eu ainda não esteja preparada – de novo.




Ainda em crise...

quarta-feira, fevereiro 05, 2014 5 Comentários


Há tanto o que viver, tantas coisas para aprender e parece que eu estou paralisando meu próprio destino.

Ainda há uma imensa lista de filmes para assistir, uma centena de álbuns para ouvir, um mapa-múndi inteiro para riscar os lugares por onde eu passar.

Com certeza há um amor perdido por ai, onde quer que esteja um dia a gente se esbarra. Espero que não seja tarde demais. Talvez eu tenha me desviado do trajeto. Talvez eu tenha escolhido viver á amar. Talvez meu sacrifício tenha sido escolher ser livre.
Não consigo mais me prender a uma alma. Não consigo mais acreditar que seja para sempre. O tempo passou tão depressa que qualquer para sempre será por pouco tempo agora.

Toda a minha angustia me fez percorrer por outras estradas. Eu estive o tempo todo de braços abertos, eu estive o tempo todo esperando e eu acreditei que seria.
Eu compreendi todos os meus erros e não os repeti.  Eu tirei toda a culpa que eu julgava não me pertencer e encarei todas as coisas que me vieram depois.
Ainda assim eu vivo o não amar. Apesar de esperar, apesar de emocionar-se com amores alheios, eu decidi não viver apenas pelo “amor reciproco infeliz”.

Eu quero uma história de amor igual aos filmes. Eu quero ser o “Dexter*” de um alguém. Eu quero que alguém me queira. Alguém que espere o tempo que for. Alguém que simplesmente saberá que é e pronto.
Não sei em que ponto da minha vida eu preciso que esse alguém apareça, pois, eu estou tão atrasada comigo mesma, com as minhas escolhas e com as minhas realizações que parece que talvez nessa vida o amor já não tenha mais tanto espaço. Já vivi um amor, já me permiti ser magoada, já me permiti passar noites em claro. Agora eu acredito que o amor já não vale mais tanto assim para mim.
Meu amor pela liberdade é tão maior que qualquer outro amor que eu necessite (no momento).
Tantas outras vezes permitiram-me abrir meu coração e não passou de nada, além de uma nova música para a trilha sonora da minha vida (ou uma nova tatuagem).

Não sei por quanto tempo ficarei por aqui. Minha nova paixão é o mundo e eu estou disposta a encontrar todas as minhas interrogações divagando por aí.

Ponto final.

*Dexter - personagem do livro-filme Um Dia de David Nicholls, o qual Emma Morley passa quase vinte anos há esperar.


Plural de solidão é vazio existencial.

quarta-feira, janeiro 29, 2014 4 Comentários



Existem momentos na vida que você tem vontade de que?

Acho que tem momentos em que vivemos que nos surgem as dúvidas, as desconfianças e as crises existenciais. 
Momentos em que nos questionamos se estamos vivendo o momento certo. Aproveitando ao máximo as oportunidades e as chances de ser melhor.
Momentos que percebemos o adulto que nos tornamos e pensamos se estamos contradizendo tudo o que pensamos que viveríamos.

Nos deparamos com coisas ainda de "crianças" que nos faz tão bem, mas ai nos lembramos do "adulto maduro" que ainda estamos nos tornando e tudo parece tornar-se um vicioso ciclo de crises.

Decidi não me importar quando meus amigos resolvem não me convidar para algum encontro com a galera, porque coloquei na minha cabeça, que os adultos são evoluídos e não encanam com esse tipo de assunto, mas ás vezes penso: Poxa, me tornei adulta sozinha no meu mundo?

Não quero ser aquela adulta chata, mas não quero ser a trintona idiota da turma. Quero assistir um show do U2, da mesma maneira que posso querer assistir um show da Demi.
Não quero ser a velha. Com ideias de velha. E viagens de velha.
É claro que eu quero me sentar num café Parisiense, tomar um chá e passar horas lendo. Mas, da mesma forma eu quero pegar uma mochila e sair pelo mundo sem rumo, sem direção. E depois de tudo isso eu não me importo nem um pouco em conhecer a casinha do Mickey lá na Disney!

Eu não quero rótulos, não quero regras.
Eu quero fazer o que me faz bem.
Eu quero abrir os braços no topo de uma montanha e sentir como é abraçar o mundo.
Eu quero fazer uma tatuagem em cada país que eu puder conhecer.
Eu quero tomar uma dose de tequila em Tijuana.
Quero descer as ladeiras de São Francisco.
Quero andar pela Times Square e assistir uma peça na Broadway.
(...)

Tem um mundo para conhecer e só tenho uma vida para fazer todas essas coisas.

Quero conservar meus amigos e quem sabe fazer alguns (poucos) novos, mas ao mesmo tempo, ainda quero meu tempo só meu, eu quero ir ao cinema com a galera, da mesma forma que ainda quero fazer as minhas fugas do mundo e sentar-me sozinha na poltrona do cinema e viajar com o filme que esperei tanto para estrear. 

Na crise existencial, no fundo estamos sozinhos e o único motivo é que na verdade desejamos estar.

A rotina me deixa inquieta. 





Começando outra vez...

quarta-feira, janeiro 15, 2014 2 Comentários
Olá pessoas, fiquei ausente por uns dia, mas aqui estou eu again!!

Algumas novidades para dividir com vocês.

Arrumei um novo emprego!!

Resumindo, fazia 1 ano e 1 mês que eu estava fora do mercado de trabalho. Meu último (e primeiro) emprego, o qual eu fiquei 7 anos, foi no Mc Donald's, eu era Coordenadora de Equipe. Era um trabalho o qual eu gostava muito (diferente de muitas pessoas que trabalham lá). Adorava treinar e desenvolver os funcionários.

Agora sou supervisora em uma Cafeteria, a Scada Café

Essa foto tirei no meu primeiro dia, são as bebidas que eu provei.

Muito muito bom!!


Daqui uns dias as aulas na Facul (último semestre) voltam e meu tem de internet será reduzido, logo agora que eu ganhei leitores e seguidores... Prometo me esforçar o máximo com vocês e com o blog.

Por hoje é isso um post assim, curtinho, mas deixo vocês entrarem um pouquinho mais na minha vida.

Uma ótima semana á todos...

TAG: Conhecendo a Blogueira!

terça-feira, janeiro 07, 2014 12 Comentários
Olá leitores... 

Hoje venho com  algo diferente... vamos socializar a vida não é só feita de Dramas... 

Me inspirei no post pelo grupo Blogueiras de 1ª viagem, a Lanna do Blog 15 e Daí? me indicou e eu achei legal... porque nos ajuda a manter contato com outros blogs de vários temas.



Regras:
  1. Escrever 11 coisas sobre você;
  2. Responder as 11 perguntas de quem te indicou para a TAG;
  3. Indicar 11 blogs com menos de 200 seguidores para responder a TAG;
  4. Fazer 11 perguntas aos indicados.
Bom, vamos começar... 11 coisas sobre mim:
  1. Eu sinto que estou virando adulta;
  2.  Amo festivais de música;
  3. Faz 5 anos que não vejo a minha melhor amiga porque ela foi morar nos EUA;
  4. Tenho uma gata cinza de 11 anos que chama Frufru Carolina;
  5. Assisto o mesmo filme de romance repetidas vezes e choro em todas;
  6. Tirei meu passaporte e ainda não fui viajar;
  7. Termino a faculdade na metade desse ano;
  8. Tenho mais de 15 Tattoos espalhadas pelo corpo;
  9. Eu já risquei várias coisas da minha Lista dos Sonhos;
  10. Eu amo música Indie;
  11. Eu sou muito Irônica.
Respondendo a Lanna:
  1. Sua primeira postagem foi sobre...? Foi sobre UM DIA... as coisas que podemos e temos vontade de fazer.
  2. Quais suas expectativas para seu blog no ano de 2014? Ganhar leitores que se interessem pelo que eu escrevo e que eu consiga interagir com esses leitores.
  3. Quais suas manias? Ler ouvindo música.
  4. Se pudesse visitar um lugar fictício, qual seria? O hospital do Grey's Anatomy.
  5. Pretende mudar algo no blog ainda, se sim, o que? Talvez, estou aprendo algumas coisas novas já.
  6. Do que mais gosta em ser blogueira? De poder escrever o que eu não tenho coragem em dizer.
  7. Como você divide seu tempo para o blog? Tá ai uma coisa difícil pra mim.
  8. Suas maiores metas. Conhecer o mundo...
  9. Uma frase do seu livro preferido. “- Dexter, eu te amo muito. Muito, muito, e provavelmente sempre amarei. Só que eu não gosto mais de você.” - Um Dia, David Nichols.
  10. Qual profissão deseja seguir? Posso confessar a minha dúvida sobre isso??...
  11. Escritor ou escritora preferido (a)? No momento Emily Giffin.
Os 11 blogs que eu escolhi pra indicar a TAG foram:
E pra terminar as minhas 11 perguntinhas que deixo para vocês responderem:
  1. Qual o show que você não pode morrer sem assistir?
  2. Qual o filme da sua vida?
  3. Qual a promessa que você não pode deixar de cumprir para este ano de 2014?
  4. Quais os 3 países que você precisa conhecer?
  5. Qual é a melhor série na sua opinião?
  6. Facebook ou Instagram? Qual você curte mais?
  7. Você tem alguma pessoa famosa que te inspira?
  8. Qual o personagem (seriado, desenho, novela, filme) que você gostaria de conhecer?
  9. Qual música que te faz parar por um momento, respirar fundo e dizer pra si mesmo: Está tudo bem?
  10. Qual seu maior vicio?
  11. O que te faz feliz?
Ufaaa!!! A parte mais difícil foi pensar nas perguntas que eu fiz para vocês... quase que travei aqui...

Espero que vocês curtam... eu achei bem legal.

Deixem um comentário depois com o link da TAG de vocês pra mim poder saber o que vocês responderam né.

Obrigada pelas indicações.



Desapego emocional ♥

domingo, janeiro 05, 2014 3 Comentários

"A diferença do amor e da paixão, talvez seja a mesma de ser adolescente e depois se tornar adulto.
 A sutileza com que você enxerga a pessoa escolhida e a intensidade com que se sente  aquele frio na barriga, com certeza nos mostram em que momento da nossa vida estamos vivendo.

Hoje pela primeira vez em um pouco mais de dez anos, aquela paixão tipo platônica eu posso dizer que virei adulta. O frio sumiu e a sua beleza já não é a mesma que eu via quando os meus olhos brilhavam por você."




 
Desenvolvido por Michelly Melo.